Primeiro Living Lab de Mobilidade na Europa

 


A Rede

A RENER Living Lab - Rede Portuguesa de Cidades Inteligentes integra 43 municípios dispersos pelo território nacional, que actuam como palcos de desenvolvimento e experimentação de soluções urbanas inovadoras em contexto real, ou seja, como laboratórios vivos. Daí que a RENER LL integre a ENoLL - Rede Europeia de Living Labs.

Teve a sua origem em 2009, com 25 municípios, enquanto Rede Piloto para a Mobilidade Eléctrica. No âmbito do Programa Nacional de Mobilidade Eléctrica, lançado pelo Governo Português, as cidades actuaram como locais de teste dos postos de carregamento e de sistemas de mobilidade inteligente.

Em 2013, a RENER LL apostou no alargamento temático da sua intervenção, incorporando outras áreas como a eficiência energética, as energias renováveis, a gestão de água e resíduos, a governação e cidadania, a cultura e o turismo, numa lógica de modelo holístico de 'cidade inteligente'. Promoveu, ainda, ao longo do último ano, o alargamento geográfico da rede com a incorporação de mais 18 municípios nacionais, ganhando escala, massa crítica e capacidade de cooperação.

A RENER Living Lab - Rede Portuguesa de Cidades Inteligentes pretende promover a reinvenção dos espaços urbanos, tornando-os mais criativos, inovadores, sustentáveis, inclusivos, participados e conectados.


Objectivos

- Partilhar informação, conhecimento, boas práticas e experiências inovadoras entre os municípios, com potencial de replicação entre eles.

- Conceber e implementar projectos em cooperação na área da inteligência urbana, quer projectos estruturantes que englobem toda a rede quer projectos sectoriais desenvolvidos por parcerias geradas no seio da RENER LL.

- Promover a utilização de soluções conceptuais e tecnológicas inovadoras, enquanto ferramentas de apoio ao planeamento estratégico dos municípios.

- Contribuir para a melhoria das infra-estruturas urbanas e da prestação de serviços públicos aos cidadãos, empresas e outros actores locais.

- Fomentar a utilização de novas tecnologias pelos cidadãos, empresas e autoridades locais, com vista à criação de cidades mais interactivas e conectadas.

- Promover estratégias de inteligência colectiva com vista a aumentar a sustentabilidade, a inclusão social e cultural, a competitividade e a geração de emprego.

- Cooperar com o sector privado e estimular o empreendedorismo urbano, fomentando a colaboração entre empresas, a criação de novos negócios e a atracção de investimento.

- Projectar internacionalmente as cidades e as boas práticas municipais existentes em matéria de inovação urbana.

- Reforçar o papel das cidades e dos territórios na definição das políticas públicas, intensificando o envolvimento dos actores locais.


Mais informação  www




  • Bookmark and Share